5.1 - A Fortaleza Vermelha.   Posted by Apo-Mayta.Group: 0
Apo-Mayta
Sat 18 Apr 2015
at 14:48
5.1 - A Fortaleza Vermelha
Apo-Mayta leva Conor através de uma passagem a leste do pátio, que dá para outra sala ampla, com soldados, seus leitos, e armas. Ao sul da porta por onde Conor entra, há uma escada de madeira pesada, que leva a um andar superior. Do outro lado desta sala, há passagens que levam para um mirante, e o general indica com a lança que é para lá que Conor deve ir.

Assim, que chega ao mirante, Conor é surpreendido com o olhar de um pteurodastro, amarrado a uma estaca, que para de beber água em um tanque, para mirar o atlante.

Não se preocupe com minha montaria. Ele não irá atacá-lo sem minha ordem. Sei que nas terras baixas esses animais não existem.


Há por volta de quinze soldados entre a sala e o mirante, vários deles dormindo. Há um sinal de seu general, todos se levantam e deixam os locais. Nenhum deles sobe para o segundo andar.



This message was last edited by the GM at 15:02, Sat 18 Apr 2015.

Conor
 player, 268 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Tue 21 Apr 2015
at 15:18
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Quando se encontra sozinho com Apo-Mayta, Conor fala.

General, me chamo Conor Rapau e não sou um mercador, mas sim um mercenário e espada de aluguel. Perdoe-me pela dissumalação, mas era a única maneira de poder ter uma audiência com o senhor sem despertar curiosidades alheias.

Por muito tempo vaguei por estas terras servindo esta ou aquela causa, mas nenhuma me falou ao coração tanto quanto aquela liderada por Glaukya. Dediquei-me de corpo e alma à luta contra os maztlani, mas o esforço foi em vão, pois a tão esperada ajuda de Yarcoua nunca chegou e isso custo o sucesso de nossa empreitada e a vida de Glaukya.

Sem um objetivo, decidi descobrir o porquê de nossos aliados nos abandonarem. Minhas andanças me levaram a Moray, onde seu governador, Canchari, me revelou que o senhor deveria ter liderado o exército yarkouano,mas que recebeu ordens para não fazê-lo.

Por isso estou aqui. Para saber mais sobre esse acontecido e tentar entender esse mistério,
termina Conor. O mestiço acha melhor não mencionar que seus companheiros também estão na mesma missão para não piorar a situação, mas suspeita que Apo-Mayta provavelmente suspeita desse ser o caso.
Apo-Mayta
Thu 23 Apr 2015
at 14:57
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
O rosto do general avermelha-se de cólera. Com a voz controlada ele pergunta:

Como é?

Você entra aqui e explicitamente admite para todos os efeitos que é um espião?

Me dê um bom motivo para não jogá-lo penhasco abaixo agora mesmo.

Conor
 player, 269 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Fri 24 Apr 2015
at 15:36
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Porque sei que um guerreiro renomado e honrado como Apo-Mayta não teria recebido a ordem de ficar aqui com alegria. Sua vida e sua carreira certamente sofreram com esse comando. Senão, por que o grande general estaria chefiando Puka Pukara sem a maior parte de seus homans? diz Conor sem demonstrar medo da cólera de Apo-Mayta.

Acredito que, assim como eu, Apo-Mayta deseja desvendar o mistério dessa ordem, que lhe custou glória e honra. Deixe-me ser seu instrumento para descobrir o que há por trás disso. Compartilhe o que sabe comigo e lhe prometo que não farei nada que comprometa a segurança de Yarcoua.
Apo-Mayta
Sun 26 Apr 2015
at 15:02
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
O general visivelmente hesita com as palavras de Conor.

Eu mesmo sei pouco sobre as minhas ordens. Sei apenas que elas foram dadas por influência do Governador Guaritopa, Líder da Guilda dos Alquimistas. O atual Iaurcoa deve seu poder à Guilda, que o apoiou. E ela é responsável por muito da grandeza e tecnologia do Império.

Ostensivamente, eu devo ficar aqui para defender Guamaka, a Cidade dos Estrangeiros, dos cultos Chimuchi que vem surgindo nos últimos anos.

Porém os ataques Chimuchi na região tem sido poucos. Tendo em vista a natureza dos Cultos, eu não duvido que Guaritopa os esteja enfrentando.

This message was last updated by the GM at 15:02, Sun 26 Apr 2015.

Conor
 player, 270 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Mon 27 Apr 2015
at 13:57
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Mas o que Guaritopa e a guilda ganhariam negando apoio à campanha de Glaukya? Afinal, enfrentávamos um inimigo comum, os maztlani. Será que temiam que Glaukya voltasse suas forças contra Yaurcoua? questiona Conor, que não sabia coisa alguma da política interna do país.
Apo-Mayta
Sat 2 May 2015
at 01:31
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Há muitos que duvidam se os maztlanos são realmente inimigos. Diretamente eles nunca nos atacaram.

E o que o levaria a me manter aqui? Quem pode saber? Realmente se defender de uma incursão dos Cultos? Apenas demonstrar seu poder?

Conor
 player, 274 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Sat 2 May 2015
at 14:39
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Quem teria as respostas para essas questões, general? Me aponte na direção certa e farei o resto, diz Conor com sinceridade.
Apo-Mayta
Sat 2 May 2015
at 20:04
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Só o próprio Guaritopa, mas não existe a menor possibilidade de você interrogá-lo.

Na maior parte do tempo, ele vive recluso em uma fortaleza, e raramente sai, sem que esteja fortemente escoltado.

This message was last updated by the GM at 20:04, Sat 02 May 2015.

Conor
 player, 275 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Sat 2 May 2015
at 21:20
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Onde é essa fortaleza?
Narrador
 GM, 550 posts
Mon 4 May 2015
at 18:42
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Na própria cidade de Chokakiro. É lá a sede da Guilda... O que é isso?

As palavras de Apo-Mayta são interrompidas por um vento cortante, que gela até os ossos de Conor. Olhando para cima, o mestiço nota que subitamente os céus escureceram com nuvens pesadas, e que uma tempestade cairia a qualquer momento.

O que parecem ser pingos de chuva negra, os maiores que Conor já viu, de uase um metro de comprimento,começam a cair do céu. O primeiro deles cai a dois passos de distância, e ao invés de se espatifar no solo, corre, sem perder sua forma esguia, para dentro da fortaleza.

Imediatamente , uma saraivada de "pingos" cai do céu sobre o mestiço e o general, e Conor percebe que o que chove não é água, mas serpentes.
Conor
 player, 276 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Mon 4 May 2015
at 20:25
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Que tipo de feitiçaria é essa?!!! exclama Conor, que se vê desprovido de uma arma.

Rápido, Apo-Mayta! Para dentro da fortaleza!

O mestiço segue rapidamente para a passagem, tendo cuidado de nãos e deixar picar pelas serpentes.

This message was last edited by the player at 20:25, Mon 04 May 2015.

Narrador
 GM, 553 posts
Wed 13 May 2015
at 13:04
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Conor e Apo-Mayta correm para a antecãmara entre os dois pátios, mas sua proteção é vã. As serpentes invadem a fortaleza logo em seus calcanhares, atacando a todos os soldados próximos. Pelo chão algumas lanças, macanas e espadas de bronze jazem ao lado dos soldados que a empunhavam, envenenados.

Que feitiçaria é esta atlante? Advirto que percebo o dedo de seu deus Set aqui!

E, efetivamente, Set, o deus serpente, é um dos deuses dos Atlantes Negros.

Conor percebe que os soldados mal e mal conseguem enfrentar a enxurrada mortal e, pelo que consegue ver do outro pátio, onde estavam seus companheiros, lá estava se passando o mesmo.
Conor
 player, 277 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Wed 13 May 2015
at 18:14
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Narrador:
Conor e Apo-Mayta correm para a antecãmara entre os dois pátios, mas sua proteção é vã. As serpentes invadem a fortaleza logo em seus calcanhares, atacando a todos os soldados próximos. Pelo chão algumas lanças, macanas e espadas de bronze jazem ao lado dos soldados que a empunhavam, envenenados.

Conor apanha uma espada de bronze e começa a fatiar todas as serpentes a seu alcance.

quote:
Que feitiçaria é esta atlante? Advirto que percebo o dedo de seu deus Set aqui!

Meu sangue pode ser meio-atlante, mas essa é a extensão de minha aliança com os reis-feiticeiros. Não sigo seus deuses nem seus costumes, responde o mestiço.

Ainda desferindo golpes contra as cobras, Conor se movimenta de maneira a retornar ao pátio onde estão seus companheiros.

Há algum lugar fechado nesta fortaleza?!

This message was last edited by the player at 18:44, Sun 17 May 2015.

Narrador
 GM, 556 posts
Sat 16 May 2015
at 15:57
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Ao tentar voltar ao pátio, Conor quase esbarra com Antinanco, que acabou de entrar na sala.

Não há nenhum lugar fechado, no qual não vamos ficar encurralados. Vocês - diz Apo-Mayta virando-se para seus soldados - vejam se há serpentes no andar superior!
Antinanco
 player, 281 posts
 Guia
 Arqueiro
Sat 16 May 2015
at 16:54
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Ao ver connor e o general, antinanco se vira e começa a retornar por onde vieram.

Rápido os demais estão defendendo o sacerdote e alguns homens no salão.

Temos que nos reagrupar.

Conor
 player, 278 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Sun 17 May 2015
at 18:45
Re: 5.1 - A Fortaleza Vermelha
Vamos! Podemos tirá-los de lá e irmos para algum lugar onde nossa posição defensiva seja melhor, responde Conor, ainda cortando cabeças de cobras.