9 - Interlúdio.   Posted by Narrador.Group: 0
Narrador
 GM, 935 posts
Thu 19 Apr 2018
at 16:29
9 - Interlúdio.
Antinanco sobrevoa a região, mas não encontra pista de Morne, na noite densa.

Os amigos voltam para a aldeia, onde Kizwunba e Gao Cheng já os esperam, com o povo em festa, pela derrota do inimigo que vinha lhes roubando os olhos. Nuala é entregue ao sachem. Os heróis se fartam de carne assada, pão de milho, chá de pinhão e cerveja escadiana.

Antinanco, Kizwunba e Conor passam quase toda a noite com o xamã e os aldeões mais velhos, contando as proezas do grupo em detalhes. Eles ficam preocupados com a magia poderosa que tem diante de si e discutem formas de saber mais sobre a Colcha dos Muitos Olhos. Eles decidem que alguém deveria ser enviado até os xamãs mais poderosos da Península de Mishupishu, para descobrir se alguém sabe como enfrentar tal tipo de feitiçaria e como curar os que foram por ela afetados.

O xamã simpatiza com Conor, que lhe pede detalhes sobre a Ilha de Manikatwa. O caminho até lá é simples e todos sabem onde ela fica. O povo que vive na ilha é muito religioso e, como o solo de lá é sagrado, entende como seu dever conceder santuário a todo aquele que estiver sendo perseguido por inimigos mundanos ou espirituais.

Se seu inimigo Slaine estiver em Manikatwa, você não poderá levantar a mão contra ele - diz o xamã.

E sobre Morne ele diz:

Morne nunca nos fez mal. Sempre foi amigo de nossa aldeia. Mas é um viajante mercenário e se por acaso sua cabeça pudesse lhe render algum prêmio, não duvido que tenha passado informação a esse Slaine.


Enquanto isto, Eyja passa a noite festejando, com uma cuia cheia de cerveja em uma mão e pernil na outra. Gao Cheng, próxima a ela, se diverte com a nova amiga, mas permanece mais reservada. O cachimbo da paz e a cerveja são passados livremente. Com todos já bêbados, um guerreiro mostra para elas uma bolsa mágica, que ateia fogo a quase tudo o que é colocado dentro dela. Eyja mostra o pututu que ela ganhou de Canchari, capaz de invocar um poderoso espírito em seu auxílio. A conversa acaba terminando numa disputa de queda de braço entre Eyja e o guerreiro, apostando o pututu contra a bolsa. Eyja ganha sem muita dificuldade e pega seu prêmio.

OOC: Pausa para vocês fazerem algo.

Narrador
 GM, 937 posts
Wed 2 May 2018
at 18:32
9 - Interlúdio.
Quando o nascer do sol se aproxima, os quatro aventureiros se reúnem para discutir os planos futuros.

Amigos - diz Kizwunba - espero que Conor consiga obter sua vingança. Mas algo me diz que essa feitiçaria aqui descoberta pode ter raízes mais profundas. Me voluntariei a servir de mensageiro, visitando os outros xamãs da Península. Logo partirei, mas espero poder revê-los em breve.

Eu também vou partir - informa Gao Cheng - continuarei minha viagem às terras escadianas, em busca da Ordem do Machado, para aprimorar minhas habilidades marciais. Eyja, se for seguir Conor, me ofereço para enviar uma mensagem ao seu pai.
Conor
 player, 484 posts
 Meio-atlante
 Meio-amizani
Wed 2 May 2018
at 18:58
9 - Interlúdio.
Conor agradece as informações fornecidas pelo xamã e lhe conta histõrias de suas aventuras passadas, como a dos zipacanos.

No dia seguinte, se despede de seus copanheiros.

Desejo sorte em suas jornadas, amigos. Qu eum dia nossos caminhos voltem a se cruzar.
Eyja Styrdottir
 player, 439 posts
 Skadian (Einheir)
 Huskalar (Beserker)
Thu 3 May 2018
at 01:12
9 - Interlúdio.
Com certeza irei me aproveitar da chance e sim quero enviar uma mensagem a meu pai. Eu vou preparar algumas linhas e lhe passarei.
Antinanco
 player, 528 posts
 Guia
 Arqueiro
Thu 3 May 2018
at 21:48
9 - Interlúdio.
Antinanco ouve seus amigos dizer que vao partir e uma sensaçõ de tristesa asola sua alma.

Ele sempre foi um solitario, seus poderes o isolaram de seu povo e ele sempre esteve só nas montanhas, lagos e nuvens.

Mas estes ultimos tempos com seus companheiros mudaram isto e ver kizumba partir e até mesmo gao chen que ele acabará de conhecer o faz sentir a perda.

Ele se aproxima de kizumba.

De todos os caminhos da vida há um que importa mais; é aquele que nos leva a um verdadeiro amigo.

e lhe entrega um colar com uma ponta de flecha amarrada a uma pena.

Este é um simbolo de nossa amizade, sentirei sua falta meu amigo e até nosso reencontro.