Conexão de Granada - 3 Dia M.   Posted by Narrador 2.0.Group: 0
Narrador 2.0
 NPC, 137 posts
 GM Substituto
Thu 23 Jul 2015
at 03:44
Conexão de Granada 3 - Dia M
[Multilab]

Horas após o incidente entre Transmorfo e Damphyr,  a quietude soturna do laboratório foi interrompida  pela ativação de um dos protótipos criados naquele laboratório. Uma plataforma começou a emitir um zunido crescente, e feixes de luz rapidamente desenharam duas formas humanas, que se solidificaram num segundo. Um flash pulsou por um momento, e toda a plataforma se desligou, deixando dois visitantes no laboratório. Eles trajavam capas, máscaras, e um deles tinha um símbolo conhecido por plantar terror nos corações da escória criminosa de Gotham City.

GEM, que se encontrava ainda em modo automático, virou o rosto para os dois encapuzados. Logo em seguida, uma das escotilhas do teto se abriu, e dela surgiu Ylliana Tesla, descendo devagar até pousar de frente para os dois. De súbito, GEM voltou a agir de forma independente, e virando-se para trás, ele falou:

– “Eles estão aqui, Doutor.” – A Inteligência Artificial informou.

Do dormitório improvisado nos fundos do laboratório, Faust Novak surgiu, caminhando na direção dos visitantes. GEM se juntou a ele, fiel escudeira como de costume.

– “Você já está recuperado, pelo visto.” – Red Robin constatou.
– “Na verdade, eu não precisei de nenhuma recuperação.” – O Gênio-Residente respondeu – “Eu ainda estava emulando a invencibilidade de Nemesis quando eu fui justificadamente esmurrado por Magellan.”
– “Uma distração muito bem improvisada.” – Batwoman falou – “De fato até os guardas estão fora do perímetro do laboratório.”

Ylliana se aproximou de seu primo, colocando-se do lado dele, deixando aos visitantes a visão de duas loiras quase idênticas à tiracolo do cientista. Ele notou o barulho do sistema de refrigeração do protótipo de transmissão Zeta, e arqueou uma sobrancelha:

– “Vocês não usaram simetria quântica para ativar a minha plataforma e se teletransportarem para cá, não é?” – Novak falou, se desentrelaçando das duas loiras, e caminhando na direção dos dois encapuzados com uma expressão séria no rosto. – “Vocês não usaram um procedimento que analisa e desconstrói o indivíduo à nível molecular, grava toda a informação, transporta para um segundo ponto que reconstrói e analisa o indivíduo novamente em nível celular, com dados que podem ser captados e armazenados, não é?”

Red Robin e Batwoman se entreolharam, com a preocupação pelas implicações do que o Croata falou expostas nos olhos.

– “Isso que acontece quando se usa tecnologia que não se compreende.” – Faust resmungou, acionando o projetor holográficos central.

Modelos em escala do Cavaleiro Rubro e da Morcega surgiram no ar, com uma miríade de dados rolando em telas bidimensionais

– “Apesar do carbono ser o componente mais abundante em nossa espécie e cultura, ele vem em compostos diferentes, que podem ser facilmente separados, como por exemplo, latex da epiderme humana.” – Novak falou, ativando um comando no console.

Para horror dos dois super-heróis, a imagem se alterou, com a retirada dos uniformes e quaisquer peças de roupa, deixando a imagem de Timothy Drake Wayne e Katherine Kane desnudos, salvo as partes intimas, que foram pixeladas por censura.

– “Oh, Merda...” – Red Robin praguejou, já pensando em centenas de implicações.
– “Vocês tem ideia do que isso significa?” – Faust perguntou, com uma expressão irritada. – “Vocês tem ideia?”
– “Nós temos de destruir os dados.” – Batwoman deduziu o óbvio
– “No shit, Sherlock.” – Faust respondeu, passando pelos dois e indo até a plataforma.

Ele abriu painéis holográficos no console da plataforma, e falou:

– “GEM, inicie um memory dump e um flush de toda a memória ativa do sistema.” – Faust ordenou.
– “O que nós podemos fazer?” – Red Robin perguntou, se aproximando do painel holográfico central.

Faust se teleportou do lado dele, desativando o console com um gesto de mão, e virando-se para o herói , disse:

– “Vocês podem esperar alí.” – Novak falou, apontando para o ponto onde Ylliana estava.

Batwoman olhou para o Gênio-resmungante trabalhar, e pareceu aceitar a sugestão, se aproximando da loira. Red Robin fez o mesmo, ainda que à contragosto. Eles viram Novak marchar até a sala dos servidores, e de um deles, arrancar um módulo, que ele então carregou nas mãos até uma mesa.

— “Eu espero uma doação bem generosa da Wayne Enterprises para o a conta da Black Knight Consulting” — Faust falou, enquanto colocava uma máscara de soldador na cabeça e ativava a tocha de plasma.

Foi de doer na alma de qualquer nerd a maneira impiedosa com que o croata destruiu o módulo de milhares de dólares, mas ele o fez de forma rápida e eficiente. Batwoman trocou olhares com Red Robin, que decidiu quebrar o silêncio.

— “Nós estamos trabalhando para derrubar a Ünthernet.” — O herói falou.
— “Ylliana me disse.” — Novak comentou.
— “Os servidores do Granada são a primeira grande chance de alcançar esse objetivo.” — Red Robin disse — “Eu vim aqui para recrutar sua ajuda.”

Ylliana deu um sorriso discreto, e Faust virou-se, olhando diretamente para o Cavaleiro de Gotham.

— “Anteontem vocês estavam ameaçando me prender e hoje, vocês querem minha ajuda.” — Novak falou — “Do meu ponto de vista, eu já tenho uma equipe e um plano para fazer isso. Por que eu me uniria a vocês?”
— “Por que você é inteligente o suficiente para saber que a provabilidade de sucesso com a nossa ajuda é bem maior do que sem nós.” — Red Robin falou — “E nós temos um trunfo que você não tem.”
— “Que é?” — Ele perguntou.

Batwoman resolveu quebrar o silêncio dela:

— “Nós temos alguém infiltrado na rede.” — A Cavaleira das Trevas falou.
— “Vocês tem alguém infiltrado na Ünthernet?” — Ele perguntou, não muito crédulo.

Os dois heróis acenaram a cabeça em afirmativa.

— “Alguém que está lá dentro e pode operar de lá?” — Ele insistiu
— “Alguém que está trabalhando para sabotar a rede por dentro, e que pode lhe ajudar à chegar nos terminais de acesso.” — Red Robin falou.

Faust olhou para os dois hérois, e para sua prima, e coçou a cabeça por um instante:

— “Ok, eu estou dentro.” — Faust respondeu, caminhando até o terminal holográfico a ativando-o — “Isso é o que eu tenho em mente. Nós vamos nos infiltrar no clube sob disfarçe de serviço, e comigo e Ylliana como convidados. Eu imagino que o CEO prodígio da Wayne tenha sido convidado, mas como  a Srta. Kane pode justificar sua presença no salão é um pouco mais dificil.”
— “Definitivamente eu sou um peixe fora d’água numa multidão de nerds.” — Batwoman respondeu, e fez um gesto, apontando para o seu uniforme — “Eu vou assim, à vontade mesmo.”

Ylliana então falou:

— “Você pode vir comigo. Afinal de contas, eu moro em Gotham, e frequento o meio alternativo.” — Ela sugeriu.
— “Pode funcionar também, mas vai ser difícil esconder meu traje num vestido.” — Batwoman falou.

Ylliana se aproximou do primo, colocando as mãos nos ombros dele por trás:

— “Pra isso que temos Faust.” — Ela disse — “Eu tenho certeza que ele pode pensar em algo.”

O cientista ponderou por um momento, e disse:

— “Eu suponho que possa usar os mesmos nanites do seu traje para desmaterializar o traje dela.” — Faust apontou para Ylliana e para Batwoman.

Ylliana sorriu ao ver seu primo arregaçar as mangas e ir ao trabalho. Pela hora seguinte, Red Robin, Batwoman, Faust e Ylliana adaptaram o traje da super-heroina e formularam um plano para acessar os terminais da Ünthernet à bordo do dirigível. Finalmente, os dois Cavaleiros de Gotham deixaram o laboratório via túnel de serviço, contando com a ajuda de Gem para mascarar a presença deles dos sistemas de vigilância do complexo.

Novamente a solitude e silêncio tomou conta do multilab, e Faust Novak sentou-se numa cadeira em frente ao  console com duas canecas com chá, e observou em silêncio a projeção holográfica do dirigível. Após alguns minutos um dos painéis na parede se abriu, revelando Amanda Waller, que entrou no laboratório. Ela se aproximou do console, e pegou uma das canecas, se encostando na parede. Ela tomou um gole do chá e fez uma cara de desgosto:

— “Merda de ranho.” — Ela comentou
— “Ordens médicas.” — Ele respondeu, tomando um gole ele mesmo.

Waller se aproximou da projeção, e estudando-a por um momento, falou:

— “Merda de úlcera.” — Ela reclamou, tomando outro gole.
— “Tem sempre aquela aposentadoria.” — Ele comentou.

A diretora olhou para o gênio-residente duvidando da seriedade do comentário dele. Faust não disse nada, acenando a cabeça em concordância. Ele desfez a holografia do dirigível se desfazer, e trouxe as imagens de Batwoman e Red Robin.

— “O que você vai fazer a respeito deles?” — Novak perguntou.
— “Processa-los por invasão de propriedade governamental e vigilantismo.” — Amanda disse

Novak olhou para a Diretora com o mesmo olhar que ela havia lhe dispensado. Amanda deu um sorriso no canto do rosto, e disse:

— “A identidade deles não era segredo. E se eu não prendi o Batman, eu não vou me preocupar com peixe pequeno.” — Ela revelou.
— “Então o plano prossegue?” — Ele perguntou
— “O plano prossegue.” — Waller confirmou, e tomando o chá, reclamou — “Merda de chá.”

Novak balançou a cabeça, e então tirou do seu jaleco uma seringa. A Diretora olhou satisfeita e desabotoou a camisa, deixando o pescoço exposto. O croata administrou a injeção nela, que então abotoou de volta a camisa.

— “Quanto tempo até fazer efeito?” — Ela perguntou.
— “72 horas em dieta de shake.” — Ele respondeu, jogando a seringa usada no lixo — “E se seu médico perguntar, é classificado.”
— “Ele nunca pergunta.” — Ela falou, caminhando na direção da saída, jogando a caneca com o resto do chá no lixo.

A Diretora deu um último olhar por cima do ombro antes de deixar o multilab, vendo o Gênio-residente modificar a imagem holográfica dos heróis para a representação da cena de casamento em outra vida...

[Manhã]

No sistema de auto-falantes do dormitório, a voz de Antonio Gomez soou:

— “Jovens, o café-da-manhã está pronto.” — O cozinheiro/guardião/chaperone anunciou.
Red Oni
 player, 735 posts
Thu 23 Jul 2015
at 13:05
Re: Conexão de Granada 3 - Dia M
Red Oni se remexia sob seus lençóis era mais uma de inúmeras noites que deitou, mas não descansou, pois imagens desconexas passavam em sucessão em sua mente como um filme de péssimo gosto e o mesmo envolvia samurais, mafiosos, sua mãe e um museu.

Por fim acordou ensopada de suor e com um mau humor digno de sua condição, soltou um palavrão tomou um banho frio e vestiu-se.

Seguiu pelo corredor as figuras que a circundam começam a falar com ela, mas dessa vez elas as ignorou.

Viu e ouviu Antonio Gomez e respondeu por monossílabos esquecendo que talvez Gomez não falasse o idioma do sol nascente.

"コーヒー...コーヒー...コーヒー..."
Fonéticamente: kōhi
Tradução: Café...Café...Café...
Antonio Gomez
Thu 23 Jul 2015
at 18:09
Re: Conexão de Granada 3 - Dia M
Gomez olhou para aEspadachim Psíquica com uma expressão entretida no rosto,  e deslizou pelo balcão a caneca com o precioso líquido negro para Katsumi

— " noite difícil? — o Chef perguntou.
Red Oni
 player, 736 posts
Fri 24 Jul 2015
at 01:37
Re: Conexão de Granada 3 - Dia M
"Elas sempre são." Responde sorvendo um grande gole. "Qual é a grande ocasião afinal? Quem são os vips da hora?" pergunta se referindo claro ao motivo da convocação de todos para vir rapidamente.
Neutraliser (M)
 player, 98 posts
 Chris O'Donell
 Quebrarei esta ilusao
Fri 24 Jul 2015
at 13:15
Re: Conexão de Granada 3 - Dia M

Depois de tomar um banho quente, se arrumar perfeitamente... Chris vai tomar seu café.

Bom dia... fala ele para quem quiser ouvir e responder... e prepara uma belo breakfast.