Capítulo 1: Retornando a Neverwinter.   Posted by Dungeon Master.Group: 0
Athos Ebonhawk
 player, 24 posts
Tue 29 Mar 2016
at 15:46
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Vou querer o mesmo.

Nunca ouvi falar desse Lemonis.
Samiel Sahandrian
 player, 11 posts
 Diplomata de Evermeet
 auxiliando os N Tel Quess
Tue 29 Mar 2016
at 18:39
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
 O elfo da lua arranca discretamente o papel do totem e lê a mensagem antes de seguir para a mesa: Veremos no que nos meteremos desta vez, pensa enquanto enrola o bilhete, segurando-o em suas mãos.
Dungeon Master
 GM, 25 posts
 Meu nome eh aventura
 Sigam-me!
Wed 30 Mar 2016
at 04:24
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Os pedidos são memorizados por Marla que com um sorriso se afasta para providenciar comidas e bebidas.

Enquanto isso, Samiel apanha o recado e examina com mais cuidado.

Ali ele encontra o nome da sua Companhia e o símbolo de Rockseeker - duas pás cruzadas sob um fundo marrom e os dizeres "A riqueza provém dos subterrâneos" escrito em caracteres anões.

A mensagem é bastante sucinta, escrita na caligrafia de Gundren, lê-se:

Aos meus caros amigos da Companhia Phandelver Philanders. Deixei em poder de Mestre Lemonis uma mensagem que lhes é endereçada. Ele tem instruções de lhes entregar mediante a apresentação do seu Contrato de Constituição de Companhia Aventureira.

Esse Contrato é comumente assinado pelos membros de uma Companhia de Aventureiros, identificando-os como tal e descrevendo seu ramo de atividades e área de atuação. Tal documento é muito comum no Sul de Toril e utilizado cada vez mais na Sword Coast. Algumas cidades, como Neverwinter, exigem essa documentação como uma espécie de concessão para que aventureiros portem armas, ofereçam suas habilidades e consigam trabalho. Os Philanders possuem tal documento, assinado pelos membros, diante do próprio Gundren e de um notário meses atrás, pouco antes deles partirem para o Norte.

O tal papel está em poder do clérigo Gorstag Dundragon, em um scroll case na sua mochila.
Dungeon Master
 GM, 29 posts
 Meu nome eh aventura
 Sigam-me!
Thu 31 Mar 2016
at 04:04
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Samiel caminha até seus colegas tencionando contar a eles a respeito das novidades, mas assim que abre a boca, Marla surge atrás dele carregando bebidas e uma bandeja com o cozido fumegando.

Aqui está, meus senhores! Experimentem dessa delícia e digam mais tarde se eu não tinha razão sobre ser o cozido mais delicioso que já provaram!

Olhos, ouvidos e a atenção dirigida para a comida, o elfo da lua dá de ombros. Se ele aprendeu algo em sua convivência com outras raças é não ficar entre eles e suas necessidades básicas, sobretudo quando se trata de comida.

Discretamente ele apanha a mochila de Gorstag de onde remove o tubo de metal contendo o Contrato da Companhia de Aventureiros. Os demais sequer percebem o ocorrido: a segurança e a tranquilidade do ambiente fazem com que mesmo os sempre atentos aventureiros baixem a guarda.

Após apanhar o documento, ele se dirige ao Taverneiro Leomis e explica brevemente a situação. Leomis ouve atentamente e estuda os papéis dedicando-se a verificar os selos oficiais. Após se certificar que se trata de algo legítimo ele pede a Samiel que aguarde enquanto apanha uma carta guardada atrás do balcão.

Eis aqui. diz entregando um envelope de papel fino lacrado com cera vermelha com o símbolo da Família Rockseeker.

Espero que sejam boas notícias. comenta olhando de soslaio para o elfo com uma expressão de indisfarçável curiosidade a respeito do conteúdo.

Na mesa, os companheiros comem satisfeitos, absortos pela agradável companhia, pelo saboroso tempero de ervas e pela cerveja espumante.
Tabatha Nightblade
 player, 3 posts
Thu 31 Mar 2016
at 04:24
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Tabatha estava calada. Isso não era normal nela, mas ansiava por chegar à civilização e usufruir de um pouco de conforto para variar.

Ao chegar a comida e bebida, ela não perde tempo. Serve-se e começa a comer.
Darius Stoneheart
 player, 6 posts
Thu 31 Mar 2016
at 04:26
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Ao chegarem na taverna, Darius concentra-se em pedir e beber uma boa cerveja. Assim que a simpática atendente traz a comida ele trata logo de se servir e deliciar-se com o cozido fumegante.
Samiel Sahandrian
 player, 12 posts
 Diplomata de Evermeet
 auxiliando os N Tel Quess
Thu 31 Mar 2016
at 11:44
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
 Samiel lê o conteúdo da carta e coloca-a também no estojo onde carregam a documentação da companhia. Segurando-o com força, dirige-se aos companheiros para contar-lhes as novidades.

 - Meu caros, assim que terminarmos a degustação, tenho algo importante a tratar com vocês, mas em particular - frisa, enquanto enche a caneca com hidromel e serve-se de uma porção de cozido e salada.
Gorstag Dundragon
 player, 28 posts
 Vos trago paz e a espada
 Sacerdote de Tempus
Thu 31 Mar 2016
at 12:56
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
O clérigo comia e bebia com satisfação, pois não saberia dizer quando o faria novamente se entrassem em outra aventura novamente, o que seria feito só que Gurstag não sabia quando...

Isto está muito bom! Realmente muito bom. Diz entre um goles e garfadas.

O semblante de Gurstag muda quando escuta quando Samiel diz que tem um assunto importante para falar.

Certo. Só espero que não seja outra furada como da outra vez quando disseste: "é só entregar e sair...". Quando vi tínhamos um clã inteiro de kobolds correndo atrás de nós. Ok de um a cinco tranquilo, o problema é quando chegaram na casa das dezenas. Diz o clérigo sorrindo relembrando o antigo episódio, não só de glórias eles viveram, mas mesmo nas dificuldades havia algo a ser aprendido assim o grande livro de Tempus o ensinara.
Athos Ebonhawk
 player, 27 posts
Thu 31 Mar 2016
at 13:41
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Entre uma garfada e outra, Athos ouve as palavras de Samiel. O espadachim começa a comer mais depressa.
Dungeon Master
 GM, 32 posts
 Meu nome eh aventura
 Sigam-me!
Thu 31 Mar 2016
at 17:22
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Samiel rompe o lacre de cera e abre a carta. Não resta dúvida, é a caligrafia de Gundren Rockseeker no papel.

O elfo da lua, pigarreia e lê em voz alta para seus companheiros, tomando cuidado para não ser ouvido pelos clientes mais próximos:

Meus caros amigos,

Gostaria de lhes pedir desculpas por não encontrá-los pessoalmente, mas a vida de mercador itinerante nos leva a tarefas inesperadas e obrigações das quais não podemos nos esquivar. Infelizmente, devo me ausentar de Neverwinter por um longo período e talvez não nos vejamos por alguns anos.

Sinto a obrigação de  avisá-los, já que nos últimos tempos me tornei uma espécie de patrono dos Phandelver Philanders, contratando seus serviços como aventureiros. Quem sabe no futuro possamos repetir essa parceria.

Vocês tem minha profunda admiração e amizade.

Seu amigo,

Gundren Rockseeker

PS - Mande minhas lembranças à querida Cat. Eu tive que sair sem  me despedir dela.


Ao terminar de ler a curta missiva, os aventureiros se entreolham sem entender o que se passou. Que diabos de carta foi essa? O que levaria Gundren a se ausentar de Neverwinter por anos? Por que teria deixado uma carta que não explica absolutamente nada? Não faz sentido algum.
Tabatha Nightblade
 player, 4 posts
Thu 31 Mar 2016
at 17:43
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
A jovem ladina Tabatha Nightblade permanece em silêncio, apenas ouvindo a conversa e a leitura da carta de Gundren.

Em seguida ela pede para olhar. Tabitha aproxima do nariz e cheira o papel deixando escapar uma risada.

Gundren, você é um anão esperto. Mercador itinerante uma ova... ela comenta divertida.

Em seguida estende a carta na direção de uma das velas que ilumina a mesa. A chama amarela brilha a poucos centímetros, ameaçando queimar o delicado papel, mas lentamente, uma série de palavras até então invisíveis começam a surgir quase que por encantamento.

"Querida Cat", isso é um código para utilizar o jargão secreto do submundo (Cant). Ele sabia que um ladino seria capaz de identificar essa pista. O cheiro é quase imperceptível, mas sem dúvida, é uma rara tinta usada pela Guilda de Neverwinter. Sangue de Espreitador Invisível, ou assim dizem.

Tabatha devolve a carta para Samiel.
Samiel Sahandrian
 player, 13 posts
 Diplomata de Evermeet
 auxiliando os N Tel Quess
Thu 31 Mar 2016
at 18:41
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
 - Excelente, Tabatha! Diz o elfo da lua enquanto pega o documento e o examina de acordo com as instruções da ladina.

 - Confesso ficar intrigado com o teor da correspondência. Gundren deve ter um bom motivo... comenta ao analisar o bilhete.

This message was last edited by the player at 18:43, Thu 31 Mar 2016.

Dungeon Master
 GM, 33 posts
 Meu nome eh aventura
 Sigam-me!
Thu 31 Mar 2016
at 20:05
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Samiel aperta os olhos e se esforça para ler a verdadeira carta de Rockseeker escrita com uma letra diminuta na borda do papel:

Caros colegas,

Desculpem-se pela carta anterior, mas não posso falar abertamente de certos assuntos. Há olhos e ouvidos em todos os cantos e vejo gente espreitando em toda parte.

O que posso lhes dizer é que estou em busca de algo grande. De fato, algo MUITO GRANDE! Algo que vai nos deixar ricos além de nossos sonhos e que vai escrever nossos nomes na história da Sword Coast! Não estou exagerando, vocês sabem que não sou deste tipo.

Se Tabatha for esperta, e espero que ela seja, vocês acharam esta mensagem.

Preciso que vocês sigam para Phandalin, um vilarejo no meio do caminho entre Neverwinter e Leilon. Sigam pela Highroad e depois pela Triboar Trail, o povoado é pequeno e fica aos pés das Sword Mountains. Tenho um trabalho para vocês e pretendo explicar tudo, assim que chegarem.

Eu precisei ir na frente para cuidar de alguns assuntos, estou acompanhado de Sildar Hallwinter, ele será uma boa companhia e suas habilidades serão úteis.

Venham o mais rápido possível, assim que lerem esta carta. Eu os aguardo!

Seu companheiro de armas
Gundren Rockseeker


O conteúdo da carta está em Mapas e Informações também, para futuras consultas.

Assim que termina de ler a carta, as letras começam a desaparecer novamente.
Tabatha Nightblade
 player, 5 posts
Thu 31 Mar 2016
at 21:54
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Tabatha dá um sorriso quando Samiel lê a parte da carta onde Rockseeker faz um comentário sobre a esperteza dela. Claro que sim, claro que eu ia ver esse seu truque em cant... Ela pensa satisfeita.

Ao final de leitura, ela olha para seus companheiros e pergunta: E agora, outro trabalho? E aproveita para se servir de mais um pouco do cozido.

Se vamos para a estrada de novo, quero aproveitar esta mordomia. E bebe mais um gole da deliciosa cerveja.
Gorstag Dundragon
 player, 29 posts
 Vos trago paz e a espada
 Sacerdote de Tempus
Fri 1 Apr 2016
at 01:23
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Mas claro que é outro trabalho. Eu francamente já esperava só que não tão rápido, mas isso é bom afasta o ócio e o tédio o que o grande livro de Tempus define como a ruina do homem o ócio e o tédio. Diz Gorstag após saber que haveria um novo trabalho e também continuava a comer e beber.
Samiel Sahandrian
 player, 14 posts
 Diplomata de Evermeet
 auxiliando os N Tel Quess
Fri 1 Apr 2016
at 01:55
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter

 - Bom, nada nos impede de passar uma ou duas noites recobrando as forças. Creiam, isso não fará a menor diferença, até porque o astuto anão não teria como prever quando chegaríamos. Argumenta piscando para os companheiros ávidos por descanso e uma boa noite de boêmia.
Athos Ebonhawk
 player, 28 posts
Fri 1 Apr 2016
at 12:24
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Athos permanece alguns instantes pensativo. Ele próprio pretendia convencer os amigos a parar por alguns dias em algum festhall e deixar a bolsa de ouro um bocado mais leve.

Mas as palavras "Há olhos e ouvidos em todos os cantos e vejo gente espreitando em toda parte" e "Venham o mais rápido possível, assim que lerem esta carta" o deixam preocupado.

Será? Depois do que eu acabei de ver, não duvido que Gundren Rockseeker seja capaz de nada. Afinal, não estava nos nossos planos parar aqui e ele adivinhou que pararíamos. A menos que ele tenha deixado uma mensagem destas em cada entreposto da estrada, o que eu duvido.

Além disto, se é algo grande que pode nos deixar ricos, com certeza é perigoso. Se ele diz que há olhos e ouvidos em toda parte, é porque talvez esteja sendo perseguido. Gundren é um amigo, e não me agrada deixá-lo correr riscos sozinho. Ele mesmo diz para partirmos imediatamente.

Eu ia até sugerir que façamos a contagem do ouro dos esqueletos e tentemos ver se podemos arranjar montarias ou transporte.

Entre sua impulsividade e sua honra, que exige que a amizade seja prontamente retribuída, Athos está disposto gastar todo o dinheiro do grupo para chegar rápido a Phandalin.

A menos que isto seja uma armadilha. Samiel, eu lembro vagamente de ter visto alguns documentos escritos por Gundren quando fizemos o contrato da Companhia. Será que essa letra é dele mesmo?

Athos pede o documento ao amigo e o analisa detidamente.
Samiel Sahandrian
 player, 15 posts
 Diplomata de Evermeet
 auxiliando os N Tel Quess
Fri 1 Apr 2016
at 15:34
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter

 Sahandrian ainda não compreende a urgência que os N Tel Quess possuem. Pensamentos das diferenças entre sua cultura e a de seus companheiros invadem sua mente:

 Certas coisas deveriam ser resolvidas com bastante calma e planejamento. Talvez o breve tempo pelo qual permaneçam na face de Toril seja o responsável por tamanha pressa de ser, realizar. Talvez... Mas chega de divagações.

 - Bom, Athos, Rockseeker é uma raposa velha, e como tal, adepto de velhos truques. A convocação por mensagem nas estalagens da região é um deles. Basta apenas pagar um mensageiro confiável para distribuir as cópias da mesma nas estalagens das rotas comerciais, seguindo nosso óbvio trajeto de volta.

 - Mas enfim, de fato precisamos de cavalos. Uma jornada dessas, e a pé, aumentam ainda mais nossos riscos. Precisamos de montarias.

 - Não se preocupe com Rockseeker, Athos. Entendo sua reserva, mas ele é muito cauteloso e não está sozinho, como já deixou claro em sua carta.

 - Tome, aqui está o estojo com os documentos. Talvez Tabatha possa dar-lhe uma mão para averiguar a veracidade das palavras aqui escritas, mesmo não duvidando delas - diz entregando o objeto com os manuscritos para o espadachim.
Dungeon Master
 GM, 37 posts
 Meu nome eh aventura
 Sigam-me!
Fri 1 Apr 2016
at 18:55
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
quote:
Eu ia até sugerir que façamos a contagem do ouro dos esqueletos e tentemos ver se podemos arranjar montarias ou transporte.


No próprio Entreposto Comercial existe uma estrebaria onde cavalos podem ser comprados. Talvez vocês não tenham moedas suficiente para comprar montarias para todos, mas sempre é possível barganhar por alguns animais e uma carroça aberta.

quote:
Athos pede o documento ao amigo e o analisa detidamente.


Uma análise mais cuidadosa atesta que a caligrafia é MUITO semelhante a de Gundren Rockseeker. Tudo leva a crer que se trata de uma carta escrita do próprio punho do anão.

This message was last edited by the GM at 18:56, Fri 01 Apr 2016.

Athos Ebonhawk
 player, 31 posts
Sat 2 Apr 2016
at 15:05
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
E os demais? O que acham? Partimos agora?

Malditos elfos que demoram para fazer qualquer coisa. Com certeza se houver alguém atrás do anão, não vai ficar duas décadas meditando antes de dar o golpe mortal. - ele pensa.
Gorstag Dundragon
 player, 30 posts
 Vos trago paz e a espada
 Sacerdote de Tempus
Sat 2 Apr 2016
at 15:38
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Gorstag acompanhava a discussão e por fim falou. Queria ao menos um banho para tirar o fedor da estrada e terminar a refeição aí sim estarei pronto pra outra aventura.Abençoados sejam os combatentes pois são os escolhidos de Tempus.  cita o proverbio do grande livro de Tempus e trata de terminar sua refeição.
Tabatha Nightblade
 player, 6 posts
Sat 2 Apr 2016
at 17:58
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Tabatha ouve os argumentos de seus colegas e em seguida pede a palavra.

Sinceramente, não sei se vai fazer muita diferença partir agora. Gundren quer que encontremos com ele, mas não acho que um dia vai fazer tanta diferença... ela pondera limpando o molho do cozido com um pedaço de pão.

Além do que... faz uma pausa enquanto mastiga e diz ainda de boca cheia Não faz bem comer e sair correndo, quem dirá galopando. sorri para os colegas.

Acho que deveríamos dormir aqui no Entreposto, deixar tudo preparado e partir amanhã cedo. Essa cidade, Phandalin, fica muito longe? Vocês sabem alguma coisa a respeito dela? Por que Gundren iria querer que a gente fosse para esse fim d emundo? O que pode existir nesse povoado que o torna tão importante?

Tabatha termina de beber sua cerveja e olha inquisitivamente para os demais.

É possível fazer um teste de História ou algo assim para saber mais sobre Phandalim?
Darius Stoneheart
 player, 7 posts
Sat 2 Apr 2016
at 18:44
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Darius estava calado desde que haviam mencionado o nome do vilarejo para onde Gundren teria rumado.

"Phandalim" pensa consigo mesmo, enquanto coça a longa barba. Será possível? Finalmente ele resolve falar:

Caros amigos. Como anão, é claro que já ouvi falar desse lugar. Trata-se de um pequeno vilarejo em uma região fronteiriça, outrora foi um lugar muito importante para meu povo. ele diz em um tom solene que denota importância.

Phandalim hoje em dia pode não ser grande coisa, mas 500 anos atrás ela era uma rica cidade construída por anões e gnomos. Ela ficava próxima das lendárias Minas de Phandelver.

A riqueza de Phandelver é lendária! Dizem que ela possuía veios de metais preciosos, além de ser abundante em Mithral, um metal raro e muito valioso, matéria prima para ferreiros e indivíduos que forjam objetos imbuídos com magia.

Phandalim era uma cidade notável! Para lá convergiam os melhores ferreiros e artesãos anões para trabalhar na Grande Bigorna, a forja local. Era de lá que vinham armas, armaduras e artefatos poderosos.
ele conta com olhos brilhando de excitação.

Mas a tragédia um dia recaiu sobre toda a região. Orcs e tribos goblinoids ambicionavam tomar a cidade e saquear seus cofres. Unidos sob um mesmo estandarte sangrento, os malditos "pele verde" marcharam contra Phandalim, destruindo tudo em seu caminho.

Apesar de lutar com bravura, não havia como repelir uma horda tão grande! O Conselho de Phandelver formado por distintos anões e gnomos, resolveu tomar uma medida drástica. Para evitar que o tesouro caísse nas mãos de seus inimigos, resolveram esconder tudo na parte mais profunda da mina e selar as entradas com desmoronamentos. Quando os malditos orcs entraram na cidade para promover o saque, não encontraram nada de muito valioso. É claro, não pouparam ninguém...
o anão faz uma pausa e derrama um pouco de sua cerveja no chão, como que para oferecer aos seus antepassados mortos em combate.

A região se manteve selvagem e perigosa por muito tempo. Orcs e tribos goblinoides ainda espreitam por lá, mas aos poucos eles foram sendo repelidos e a área voltou a ser colonizada, dessa vez por uma maioria de humanos vindos de Neverwinter. Lentamente, a história das Minas de Phandelver caiu no esquecimento... a maioria das pessoas de nada sabe e os que sabem, acreditam que não passa de uma lenda.

Os olhos de Darius brilham ainda mais intensamente.

Mas não é uma simples lenda! Dizem que o Conselho de Phandelver manteve um único acesso secreto para as minas, para que um dia pudesse reaver suas riquezas. Ninguém, contudo sabe onde fica essa entrada. Grupos de aventureiros e caçadores de tesouro buscam por ela há séculos. Muitos se perderam por lá e nunca mais foram vistos. Há incontáveis perigos, naturais e sobrenaturais.

Darius faz uma pausa, deixando suas palavras reverberarem e então completa sua narrativa de forma desafiadora:

Meus amigos, eu presumo que Gundren Rockseeker possa ter encontrado uma pista sobre o caminho que leva às Minas de Phandelver.

Teste bem sucedido de História (crítico)

This message was lightly edited by the GM at 18:45, Sat 02 Apr 2016.

Gorstag Dundragon
 player, 32 posts
 Vos trago paz e a espada
 Sacerdote de Tempus
Sat 2 Apr 2016
at 19:17
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Gorstag,o sacerdote de Tempus, olha o anão enquanto ouvia a história e identificou-se com ela já que a certo tempo ele também pegou em armas contra os orcs e goblins a magnitude da batalha não era a mesma, mas o sentimento lá estava.

Tudo aponta que nosso bom amigo tenha achado algum indicio que permite o acesso as tais minas e que agora seria de vital importância que sejamos discretos, pois nem todo mundo precisa saber do que estamos falando e bem estamos no meio de uma taverna onde nem todos estão bêbados. Diz o sacerdote em tom de cautela.

Primeiro precisamos arranjar um meio de nos levar até lá que seja mais rápido que os pés, creio que pelas minhas contas não possuímos ouro suficiente para montarias para todos, mas para transportar uma carroça quem sabe? Acho que poderia ser. Quanto aos orcs e goblins acho que podemos lidar com pequenos grupos, mas não hordas numerosas se evitarmos chamar a atenção dos mesmos será melhor. A prudência na batalha é fundamental como diz o grande livro de Tempus. Acrescenta.
Dungeon Master
 GM, 43 posts
 Meu nome eh aventura
 Sigam-me!
Sat 2 Apr 2016
at 23:18
Capítulo 1: Retornando a Neverwinter
Tendo uma melhor ideia do que os espera, os aventureiros decidem começar os preparativos para a viagem. Tabatha fica encarregada de comprar cavalos, carroça, mantimentos. Gorstag negocia uma noite na estalagem para todos, com alimentação, claro.

Tabatha consegue fazer um bom negócio, compra cinco cavalos de carga e um "cart", onde duas pessoas podem ir razoavelmente acomodadas, pois boa parte do espaço é ocupada com a carga de mantimentos.

A noite no Entreposto é agradável. A comida é gostosa e todos se deliciam com uma boa cerveja ou outra bebida mais exótica que queiram provar. Afinal, não se sabe quanto tempo vão ficar longe da civilização desta vez.

No dia seguinte, ao raiar do sol, os aventureiros da Companhia Phandelver Philanderers estão prontos para partir. Saem do Entreposto A Rota do Viajante e seguem pela High Road rumo ao sul.